Stop

Proteas Essências Proteas Produção no Sudoeste Alentejano

A essência vibracional "Leucadendro Pisa" tem a qualidade de acordar o brilho da estrela da Alma. É ela, a Alma, que se auto regenera e reinventa oitavas vibracionais acima, ascendida, quando impulsiona o subir da energia do plexo solar ao chacra cardíaco, sublimando a intuição e ancorando-a suavemente na casa do Ser físico, o coração.

Da família das Proteáceas e nativa da África do Sul, este Leucadendro perene e de flores múltiplas pequenas, é um arbusto denso e vigoroso que cresce até cerca de 2 metros, de folhas verde prata, compridas e lanceoladas que se abrem em círculo espiralado, passando a brácteas amarelo -limão e que terminam numa pinha em formato de cone prateada e sedosa.

O seu nome deriva da famosa torre Italiana e parece ter origem da tendência que a planta tem de se inclinar ao vento, o seu elemento de eleição. Gosta de solos ácidos e com pouca água e boa drenagem, ama o sol e atrai uma grande variedade de pássaros.

Os Leucadendros produzem flores femininas e masculinas em plantas separadas. São essencialmente arbustos adaptados aos fogos e assim tem uma vida curta de cerca de 15 anos.

Leucadendro Pisa é uma seleção feminina desta planta e tem propagação vegetativa. Perto do fim da estação abrem pequenas inflorescências de pólen que continuam o movimento espiralado das sedosas folhas prateadas, estende-se pelas brácteas amarelas e seguem ao longo das bainhas do cone, com uma sequência bem ordenada que reflete a “Divina Proporção”, tão evidente nas Proteáceas.

A essência vibracional desta flor tem a qualidade de acordar o brilho da estrela da Alma. É ela, a Alma, que se auto regenera e reinventa oitavas vibracionais acima, ascendida, quando impulsiona o subir da energia do plexo solar ao chacra cardíaco, sublimando a intuição e ancorando-a suavemente na casa do Ser físico, o coração.

Através do conduzir da energia do plexo solar ao coração (chacra amarelo / chacra verde), o conhecimento adquirido pela personalidade (ego) transmuta-se compassivamente na sabedoria do coração.

Da mesma forma que a Little Flannel Flower (Bush Australiano) tem uma cobertura sedosa nas pétalas delicadas, como um manto protetor de luz branca - para aqueles adultos que se tomam demasiado a sério e precisam de aprender a enfrentar a vida forma mais leve, prazerosa e vivendo o presente - o cone oval e aveludado da Pisa, preenche de suavidade a aura daquelas pessoas cuja personalidade defensiva (a corola e folhas lanceoladas) necessita de levar ao coração as defesas construídas e a hostilidade com que se expressam.

Com o suavizar do plexo solar, a agressividade amacia, “aveluda” e finalmente, integrados no campo áurico, os medos (edificadores de defesas) transformam-se em suaves “escamas” de lições aprendidas, reconhecidas, e que podem ser descartadas a seu tempo devido. Olhando de mais perto para a “pinha - ovo - áurico” há um leve tom alaranjado na periferia das escamas superiores, como que uma “redenção” da informação dos chacras básicos (vermelho e laranja): impulsionados das profundidades do plexo solar, remontam ao coração resquícios de informações e das defesas que aí ancoraram.

Entrando também pelo campo dos opostos que se complementam, esta flor “mostra o que deveras esconde”: no ar atrevido e agressivo com que se apresenta, esconde a brandura que só se reconhece ao tocá-la; nem as folhas lanceoladas são robustas o suficiente para defenderem a planta, nem a pinha “se fecha ao contacto” como parece: tocar-lhe é sentir toda a suavidade, a doçura e a calidez que desmontam a hostilidade de um olhar incauto, pois, como disse o poeta “chega a fingir que é ódio o amor que deveras sente”.

Serve então, esta essência, para desmontar e desfazer estruturas rígidas naquelas pessoas que se protegem aparentando uma dureza que se desmancha quando o poder do Amor se apodera delas.

As folhas são tão aveludadas na frente como no verso, sedosas e brilhantes à luz do sol, como se de aço prateado se tratasse; as brácteas amarelas, alargam na base e afinam nas pontas como lâminas (que não cortam) e toda a flor parece dizer: “curo as defesas da personalidade na doçura do coração”.

A Essência Protea «Leucadendron Pisa» é potenciada por:

  • Potência: Cristal de Quartzo Biterminado Purificar, Fluir, Harmonizar

    Recarrega as energias em todos os aspetos (físico, mental, emocional, espiritual) e a sua função nas essências florais é a de amplificar e estabilizar a energia curativa da essência floral, criando sinergia das suas virtudes e poderes de cura que ASSIM SE AMPLIFICAM MUTUAMENTE. É um potencializador das essências de flores.


+ info sobre Eveline

Eveline

Terapeuta Floral

Eveline, trabalha com os sistemas Bach, FES, Australian Bush, Korte PHI (Amazónia, Orquídeas Europeias, Cactos e Cogumelos) Dancing Light Orchids, Living Tree Orchid Essences, Florais de Minas, Florais de Saint Germain, Pacific Essences e Terra-luz.a®

Há cerca de 30 anos descobri as essências florais do Dr. Bach e entendi que tinha “encontrado a minha tribo”… iniciei então este já longo caminho de pesquisa, utilização e experimentação dessa e de outras linhas florais, tendo deixado para trás a formação na área de gestão e 20 anos de carreira profissional.

Conforme fui ganhando conhecimento e experiência, foi nascendo também uma metodologia de trabalho em que aplico a minha própria síntese funcional.

Durante o encontro (físico ou on-line) são abordados os temas vivenciais paralelamente ao diagnóstico floral aportado pela aferição radiestésica, conformando então uma leitura conjunta dos sintomas “anímicos” e da sua condução à consciência para participação efetiva na própria libertação daquilo que nada mais acrescenta ao fluxo de vida.

Dentro desse contexto, utilizo as essências florais como meio de diagnóstico “alquímico”, em que o “al” vem de “Alma”… e através da elegância do seu “emanar” as essências de flores conduzem-nos através dos meandros sanativos e apazigua+dores que o Ser implora.

Com esse “empatizar” das energias Planta e Ser, conformam-se buquês individualizados e contundentes embora profundamente subtis, direcionados à cura daqueles aspetos que não servem mais ao perfil em causa por obsoletos e fora do contexto de vida, por muito úteis que tenham sido antes, noutras conjunturas.

Assim caminhando na estrada da vida, deparei-me com a oportunidade de sintonizar em território Português uma linha floral – Terra Luz.a Essências Vibracionais.

A pesquisa alargada a que estes objetivos me conduziram - aliada à experimentação pessoal de vários métodos, sem deixar de prevalecer a continuidade da expansão da minha consciência através da aplicação do conhecimento de técnicas alternativas de cura, com uma utilização positiva da mente e da informação quântica - nunca mais terminou e todos os dias incorporo e integro novos parâmetros e perspetivas que me confirmam o caminho escolhido: ganhar a cada dia uma maior consciência do Ser, sabendo sempre que, enquanto seres físicos, somos Luz congelada e que, enquanto seres espirituais, somos entidades cósmicas, multidimensionais e multicivilacionais.

« voltar